PTSM discutiu os resultados da Rede Experimental de Herbicidas
09/08/2011

O Programa Temático de Silvicultura e Manejo (PTSM) promoveu nos dias 13 e 14 de junho em Botucatu e Itatinga (SP), a sua 43a Reunião Técnico-Científica. O tema foi “Controle de Plantas Daninhas”, tendo como objetivos, conhecer a biologia das plantas e os mecanismos de ação das principais moléculas de herbicida, avaliar a possibilidade de registros de novos herbicidas para o setor florestal, conhecer novos métodos de monitoramento de plantas daninhas, apresentar e discutir os resultados da Rede Experimental de Herbicidas e conhecer novidades tecnológicas para equipamentos florestais.

Participaram do evento 70 pessoas, entre pesquisadores, professores, estudantes e profissionais da área científica e operacional de empresas associadas e das principais empresas produtoras de agroquímicos do setor. A reunião foi dividida em três etapas. A primeira foi realizada no Hotel Chaillot, no dia 13, em que foram proferidas sete palestras e organizadas duas mesas redondas. A segunda, realizada na manhã do dia 14, constituiu de uma visita de campo à Estação Experimental de Ciência Florestal de Itatinga, e a terceira, também nesta Estação Experimental, no período da tarde, onde se realizou a apresentação dos resultados da Rede Experimental de Herbicidas.

O engenheiro Rodrigo Coutinho iniciou as atividades do dia 13 apresentando a empresa Arauco ao grupo PTSM, como recém-associada, abordando a localização geográfica, as linhas de pesquisas e as expectativas e as contribuições que espera ao ingressar ao programa. Os professores da Unesp de Botucatu, Carlos F. Wilcken e Edson L. Furtado, discorreram sobre as restrições do FSC à agroquímicos e as iniciativas do Programa Cooperativo em Certificação Florestal (PCCF) junto a Câmara Setorial de Florestas Plantadas para a obtenção de apoio para registro de agroquímicos em caráter emergencial ou prioritário.

Nessas apresentações houveram dois destaques. O primeiro é que no final do mês de junho haverá uma Assembléia Geral do FSC na Malásia, para a qual foram submetidas monções, entre elas, a que propõe mudanças nos critérios vigentes de proibição de agroquímicos em processos de certificação florestal. Solicita-se que, antes de restringir os produtos, eles sejam submetidos a uma análise de risco de uso, ou seja, que as condições ambientais e de manejo da cultura também sejam consideradas na avaliação dos riscos potenciais de periculosidade. O outro destaque é a possibilidade de priorização de registro de agroquímicos, no qual o tempo médio de registro pode reduzir de dois a três anos para seis meses. Coube ao Prof. Pedro J. Christoffoleti, da Esalq/USP, falar sobre a biologia das principais plantas daninhas e os principais mecanismos de ação das moléculas de herbicidas. Ele destacou a importância de se conhecer bem a fenologia das plantas daninhas, de modo que o uso individual ou associado de moléculas proporcione seu controle eficiente. Além de usar o produto certo para a planta daninha alvo, é importante acertar a dose e respeitar o estádio de desenvolvimento da erva e a tolerância do eucalipto ao produto. O engenheiro agrônomo Marcelo Nicolai, da Agrocon, falou sobre o controle de plantas daninhas em citrus, demonstrando que há muitos pontos em comum, e que a experiência do uso de alguns produtos nessa cultura pode ser reproduzida para as plantações florestais. O engenheiro Marcelo Ambrogi, da IMA Gestão e Análise Florestal, apresentou uma nova ferramenta para o monitoramento de plantas daninhas: o veículo aéreo não tripulado (VANT). Desenvolvido em parceria com a Flight Technologies, esse equipamento possui capacidade de sobrevoar áreas florestais e tirar fotos aéreas com precisão de 19 cm. Após 40 minutos de vôo as fotos são mosaicadas em um software, o qual também faz a classificação quanto ao nível de extensão da infestação. As vantagens desse equipamento, além da boa resolução, são o alto rendimento operacional, em torno de 2000 hectares por dia, e o baixo custo, variando de R$ 8,00 a R$ 15,00 por hectare, dependendo do nível de detalhamento e das informações requeridas.

Na manhã do dia 14, na Estação Experimental de Itatinga, foram visitados três experimentos: resposta do Eucalyptus grandis a adubação potássica e a substituição do potássio pelo sódio (reinstalação com simulação de estresse hídrico por meio da exclusão de chuva); produção de biomassa, aporte e mineralização de matéria orgânica e de nitrogênio em plantações mistas de Eucalyptus e Acacia mangium; teste de progênies de E. grandis e de E. urophylla do Projeto Cooperativo de Novos Cultivares (PCNC) do IPEF.

No período da tarde, foram apresentados e discutidos os resultados da Rede Experimental de Herbicidas, pelo engenheiro agronômo Marcelo Nicolai. Esta Rede Experimental foi idealizada na 40ª Reunião do PTSM, em abril de 2010, com objetivo de obter subsídios técnico-científicos para o registro de novos herbicidas destinados ao controle de plantas daninhas em plantações florestais, de modo a ampliar a diversidade de opções de escolha de acordo com a situação problema, bem como sua aquisição a preços mais competitivos. Foi instalada entre outubro de 2010 e janeiro de 2011, em oito áreas de empresas do PTSM: Duratex (SP), Fibria (MS e ES), Veracel (BA), Copener (BA), ArcelorMittal BioEnergia (MG), Cenibra (MG) e Klabin (PR). Testaram-se 10 diferentes moléculas de produtos de ação pré-emergente e 10 produtos de ação pós-emergente, em 13 ensaios. Várias moléculas ainda não registradas para plantações florestais apresentaram alta eficiência no controle de plantas daninhas. A associação seqüencial de produtos graminicidas e latifolicidas apresentou os melhores resultados. Com os resultados dessa rede experimental serão elaborados laudos técnicos sobre as diferentes moléculas testadas, os quais serão encaminhados às empresas produtoras das moléculas, recomendando os registros das mais eficientes. O PTSM também encaminhou à Câmara Setorial de Florestas Plantadas solicitação de apoio ao registro de mais herbicidas para o controle de plantas daninhas.

Ficou decidido em reunião administrativa que o PTSM irá promover a edição de um livro sobre controle de plantas daninhas para o setor florestal. A expectativa é que o lançamento seja realizado no primeiro semestre de 2012.

A próxima reunião do PTSM será em setembro com o tema “Florestas Energéticas”. A ArcelorMittal BioEnergia foi a empresa convidada a sediar a reunião.

Sobre o PTSM

O Programa Temático de Silvicultura e Manejo desenvolve projetos de pesquisa, que visam a fornecer embasamento científico e tecnológico para a decisão operacional da área de silvicultura das empresas, sendo uma das suas principais atividades as reuniões técnicas com as empresas associadas que desde a sua criação já realizou 42 reuniões técnicas, com a participação de aproximadamente 2360 pessoas. Além disso, realizam-se também: seminários, simpósios e cursos, que objetivam atualizar e reciclar os conhecimentos sobre o assunto em questão, visando, como já colocado, ao embasamento científico e técnico para a tomada de decisões imprescindíveis à sustentabilidade ou à elevação da produtividade de plantações florestais. Mais informações sobre o PTSM em http://www.ipef.br/ptsm


Visita de campo durante o evento

Temas Relacionados: PTSM, Reunião Técnica, Herbicidas




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.