Scientia Forestalis, volume 46, n. 117
p.41-52, março de 2018
DOI: dx.doi.org/10.18671/scifor.v46n117.04

Estoque de duas espécies arbóreas ameaçadas de extinção aos 30 anos após a exploração na Amazônia oriental

Stock of two timber species threatened by extinction 30 years after logging in the eastern Amazon Region

Jaqueline Macedo Gomes1
João Olegário Pereira de Carvalho2
Ademir Roberto Ruschel3
José Natalino Macedo Silva2
Edson Marcos Leal Soares Ramos4
Tatiana Cunha Castro5
Ian Samuel Thompson6
Lucas José Mazzei de Freitas3

1Pesquisadora Doutora. SEMAS/PA – Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade. Travessa Lomas Valentinas, 2717 – 66.093-677 – Belém, PR, Brasil. E-mail: jaquelinemacedogomes@hotmail.com.
2Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais. UFRA – Universidade Federal Rural da Amazônia. Av. Presidente Tancredo Neves, 2501 – 66.077-530 – Belém, PR, Brasil. E-mail: olegario@pq.cnpq.br; silvanatalino734@gmail.com.
3Pesquisador Doutor. EMBRAPA Amazônia Oriental – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Trav. Dr. Enéas Pinheiro s/n – Caixa Postal: 48 - 66.095-100 – Belém, PA, Brasil. E-mail: ademir.ruschel@embrapa.br; Lucas.mazzei@embrapa.br.
4Professor Associado do Departamento de Ciências Exatas e Naturais. UFRA – Universidade Federal Rural da Amazônia. Av. Presidente Tancredo Neves, 2501 – 66.077-530 – Belém, PR, Brasil. E-mail: ramosedson@gmail.com.
5Doutoranda em Ciências Florestais. UFRA – Universidade Federal Rural da Amazônia. Av. Presidente Tancredo Neves, 2501 – 66.077-530 – Belém, PR, Brasil. E-mail: ccastro.tatiana@gmail.com.
6Pesquisador Mestre em Ciências Florestais. TNC – The Nature Conservancy. Av. Nazaré, 280 – 66.035-170 – Belém, PA, Brasil. E-mail:  ithompson@tnc.org.

Recebido em 09/04/2017 - Aceito em 09/10/2017

Resumo

O manejo sustentável das espécies ameaçadas de extinção deve ser utilizado como uma estratégia de conservação, portanto é de fundamental importância conhecer seus comportamentos em relação à exploração florestal e à taxa de recuperação do seu estoque dentro do ciclo de corte estabelecido para a floresta. Assim, avaliou-se a abundância, área basal, volume e a distribuição diamétrica de Hymenaea parvifolia Huber e Hymenolobium excelsum Ducke, consideradas ameaçadas de extinção e que tiveram suas madeiras colhidas em duas áreas experimentais da Embrapa Amazônia Oriental, localizadas na Floresta Nacional do Tapajós, sendo uma no Km 67 e outra no Km 114 da BR 163, ambas no município de Belterra, Pará. Foram utilizados dados de inventários realizados a 100% de intensidade no km 114 (em 1981, um ano antes da exploração, e em 2014, 32 anos após a exploração) e no km 67 (em 1975, quatro anos antes da exploração, e em 2009, 30 anos após a exploração). Comparou-se a abundância, área basal, distribuição diamétrica dos indivíduos e do volume entre os dois inventários em cada área. O período de 30 anos após a exploração florestal não foi suficiente para Hymenaea parvifolia recuperar o número de árvores, a área basal e o volume existente antes da exploração, nas duas áreas experimentais avaliadas, considerando a alta intensidade de colheita de madeira. Atualmente a espécie tem volume disponível para colheita, na área do Km 67, porém não possui estoque em crescimento que possa assegurar novas colheitas em futuro próximo, necessitando de atenção especial no manejo de sua população. Na área do Km 114, a espécie possui um estoque que garante a colheita no segundo corte, porém recomenda-se que sua exploração não ocorra antes de recuperar completamente a estrutura de sua população original. A alta intensidade de colheita não permitiu que Hymenolobium excelsum recuperasse o número de árvores existente antes da exploração nas duas áreas experimentais, no período de 30 anos. A espécie possui estoque em crescimento que garante a sua exploração nos próximos cortes, seguindo a legislação em vigor, porém sugere-se que seja colhida após recuperar a estrutura de sua população original.
Palavras-chave: Estrutura diamétrica, Volume de árvores, ciclo de corte, Hymenaea parvifolia, Hymenolobium excelsum, Manejo Florestal.

Abstract

Sustainable management of species threatened with extinction should be used as a conservation strategy. It is essential to know the behavior of these species in relation to forest logging and the recovery rate of its stock over the cutting cycle established for the forest. Thus abundance, basal area, volume and diameter distribution of Hymenaea parvifolia Huber and Hymenolobium excelsum Ducke, considered species threatened with extinction and which were harvested for timber at Embrapa Amazônia Oriental’s experimental sites at Km 114 and Km 67 of BR 163 in the Tapajos National Forest, municipality of Belterra, Pará were studied. Data from 100% inventories from Km 114 (from 1981- one year before logging and in 2014- 32 years after logging) and from Km 67 (in 1975 - four years before logging and in 2009- 30 years after logging) were evaluated. Diameter distribution of abundance, basal area and volume were compared between the two inventories of each site. The period of 30 years after logging was not sufficient for Hymenaea parvifolia to recover pre-logging tree numbers, basal area or volume in both sites, due to the high logging intensity applied. The species has a volume available for harvesting at Km 67; however it does not have a growing stock that could ensure new harvests in the near future, thus needing special management attention of the population. At Km 114, the species showed a stock to support the second harvest, but we recommend its harvest after recovering its pre-logging population structure. The high logging intensity meant that Hymenolobium excelsum did not recover pre-logging tree numbers at both sites in the 30 years. However the species showed growing stock that could guarantee its future logging, following current legislation, but we also recommend its harvest after recovering its pre-logging population structure.
Keywords: Diametric structure, tree volume, cutting cycle, Hymenaea parvifolia, Hymenolobium excelsum, Forest management.





Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.