Scientia Forestalis, volume 44, n. 111
p.641-651, setembro de 2016
DOI: dx.doi.org/10.18671/scifor.v44n111.10

Modelagem do rendimento no desdobro de toras de Manilkara spp. (Sapotaceae) em serraria do estado de Roraima, Brasil

Yield modeling in sawing logs of Manilkara spp. (Sapotaceae) in sawmill in the state of Roraima, Brazil

Filipe Eduardo Danielli1
Bruno Oliva Gimenez1
Criscian Kellen Amaro de Oliveira1
Joaquim dos Santos2
Niro Higuchi3

1Mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Florestas Tropicais. INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Av. André Araújo, 2936 - Petrópolis, CEP: 69060-001 - Manaus - AM. Brasil. Email: fklauberg@hotmail.com; bruno.oliva.gimenez@gmail.com; crisciankellen@gmail.com.
2Pesquisador Doutor. INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Av. André Araújo, 2936 - Petrópolis, CEP: 69060-001 - Manaus - AM. Brasil. Email: joca@inpa.gov.br.
3Pesquisador Ph.D. INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Av. André Araújo, 2936 - Petrópolis, CEP: 69060-001 - Manaus - AM. Brasil. Email: niro@inpa.gov.br.

Recebido em 12/06/2015 - Aceito para publicação em 28/01/2016

Resumo

O objetivo desse estudo foi estimar o rendimento no desdobro de toras de Manilkara spp., quantificar os subprodutos, avaliar diferença de rendimento entre as classes diamétricas e ajuste de modelos para estimativa do rendimento em madeira serrada e estimativa do volume da parte ocada das toras. Foram amostradas 71 toras, agrupadas em classes de diâmetro. Foi determinado o volume das toras pelo método de Smalian e calculado o volume de madeira serrada, para determinação do rendimento. Foram testados 12 modelos para estimativa do rendimento em madeira serrada e 12 modelos para estimativa do volume do oco das toras. A escolha dos melhores modelos foi feita baseando-se no maior coeficiente de determinação ajustado (R2ajust), menor erro padrão da estimativa (Syx%) e distribuição homogênea dos resíduos. O rendimento médio foi de 30,1% e não houve diferença estatística no rendimento entre as classes diamétricas e entre toras ocadas e não ocadas. A classe (70<79,9 cm) foi a que apresentou o melhor rendimento. Para estimativa de rendimento, a melhor foi a equação 7. Para estimativa do volume do oco, as melhores foram as equações dois, três e dez.
Palavras-chave: Serraria, maçaranduba, processamento de toras, madeira serrada, subprodutos.

Abstract

The aim of this study was to estimate the yield of sawing Manilkara spp. logs, to quantify the wood by products generated, to evaluate differences in the yield between the diameter classes and to adjust models to estimate the yield in lumber and to estimate the volume of the hollow part of the logs. Seventy-one logs were sampled and grouped into diameter classes. Log volumes were determined by the Smalian method and the volume of lumber was calculated to determine the yield. Twelve models were tested to estimate the sawn lumber and twelve models to estimate the volume of the hollow logs. The choice of the best models was made based on the highest adjusted coefficient of determination (R2ajust), lowest standard error of estimate (Syx%) and homogeneous distribution of the residues. The average yield was 30.1% and showed no statistical differences in yield between the diameter classes and between hollow logs and non-hollow logs. Class 5 (70<79,9 cm) was the one that presented the best yield. To estimate the yield, the best equation was the number seven. To estimate the volume of the hollow part of the logs, the best equations were number two, three and ten.
Keywords: Sawmill, maçaranduba, log processing, sawn wood, wood by-products.





Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.