Scientia Forestalis, volume 44, n. 111
p.683-690, setembro de 2016
DOI: dx.doi.org/10.18671/scifor.v44n111.14

Determinações dos módulos de elasticidade e ruptura de madeiras por técnicas não destrutivas e destrutiva

Evaluation of elasticity and rupture modulus of woods by destructive and non-destructive techniques

Pedro Nicó Medeiros Neto1
Juarez Benigno Paes2
Pedro Gutemberg de Alcântara Segundinho2

1Doutorando do Programa de Pós Graduação em Ciências Florestais. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Av. Governador Lindemberg, 316 - Centro - 29550000 - Jerônimo Monteiro, ES, Brasil. E-mail: pedroflorestal@gmail.com.
2Professor do Departamenteo de Ciências Florestais e da Madeira. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Av. Governador Lindemberg, 316 - Centro - 29550000 - Jerônimo Monteiro, ES, Brasil. E-mail: jbp2@uol.com.br; p_gutemberg2001@yahoo.com.br.

Recebido em 23/04/2015 - Aceito para publicação em 01/02/2016

Resumo

Este trabalho objetivou avaliar o uso de técnicas não destrutivas (dinâmicas) por meio de frequências de vibração (longitudinal e transversal) e stress wave e relacionar os resultados com os obtidos no ensaio destrutivo (estático) na determinação da rigidez e resistência da madeira de quatro espécies florestais. Foram utilizadas tábuas com 200 x 40,0 x 5,0 cm (comprimento x largura x espessura) das madeiras de eucalipto (Corymbia citriodora), louro preto (Cordia alliodora), massaranduba (Manilkara sp.) e pau brasil (Caesalpinia echinata) e avaliados o módulo de ruptura (MOR) por técnica destrutiva (estática) e o módulo de elasticidade (MOE) por meio de técnicas destrutivas e não destrutivas ou dinâmicas (vibração longitudinal, transversal e stress wave). Para a análise e avaliação dos resultados, empregou-se um delineamento inteiramente casualizado, com quatro tratamentos (espécies) e 20 repetições por tratamento e os valores, quando significativos pelo teste F (p ≤ 0,05), tiveram suas médias comparadas pelo teste de Tukey (p ≤ 0,05). A avaliação das relações entre as técnicas estática e dinâmicas foi por meio do teste de Pearson. O eucalipto apresentou os maiores valores de módulos de elasticidade e ruptura. A técnica de vibração transversal proporcionou os maiores coeficientes de correlações entre as técnicas testadas. As melhores correlações entre os MOEs foram obtidas para as madeiras de menores massas específicas e para o MOR não foi observado nenhuma relação entre as massas específicas.
Palavras-chave: técnicas de vibração, flexão estática, correlação linear.

Abstract

This work aimed to evaluate the use of non-destructive techniques (dynamic) by means of vibration frequencies (longitudinal and transversal) and stress wave and to relate the results with those obtained in destructive test (static) in determining the stiffness and strength of the four woody forest species. Planks with 200 x 40.0 x 5.0 cm (length x width x thickness) of Corymbia citriodora, Cordia alliodora, Manilkara sp. and Caesalpinia echinata were evaluated and the modulus of rupture (MOR) by destructive technique (static) and modulus of elasticity (MOE) by means of destructive and non-destructive techniques or dynamics (vibration transversal and longitudinal stress wave). For the analysis and evaluation of the results, a completely randomized design with four treatments (species) and 20 repetitions per treatment was used and the values, when significant F test (p ≤ 0.05), had their averages compared by Tukey’s test (p ≤ 0.05). The evaluation of the relationship between static and dynamic techniques was through the Pearson’s test. Eucalypts presented the highest values of elasticity and rupture modules. The transverse vibration technique provided the greatest correlation coefficients among the tested techniques. The best correlations among the MOEs were obtained by woods of lower specific gravities for the MOR was and no relationship among the specific gravities was observed.
Keywords: vibration techniques, static bending, linear correlation.





Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.