Scientia Forestalis, volume 43, n. 108
p.931-941, dezembro de 2015
DOI: dx.doi.org/10.18671/scifor.v43n108.17

Formas de raridade de árvores em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista no sul do Brasil

Forms of rarity of trees in Araucaria forests in Southern of Brazil

Tiago de Souza Ferreira1
Pedro Higuchi2
Ana Carolina Silva2
Adelar Mantovani2
Amanda Koche Marcon1
Bruna Salami1
Francieli de Fátima Missio1
Fernando Buzzi Junior3
Marco Antonio Bento3
Roni Djeison Ansolin3

11Mestrando(a) do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal. UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – Centro Agroveterinário. Av. Luiz de Camões, 2090 – Conta Dinheiro – 88520-000 – Lages, SC. E-mail: tiagoferreira@florestal.eng.br; amandamarcon@yahoo.com.br; brunaflorestal@yahoo.com.br; franmissio@yahoo.com.br
2Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal. UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – Centro Agroveterinário. Av. Luiz de Camões, 2090 – Conta Dinheiro – 88520-000 – Lages, SC. E-mail: higuchip@gmail.com, carol_sil4@yahoo.com.br, a2ama@cav.udesc.br
3Graduando em Engenharia Florestal. UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – Centro Agroveterinário. Av. Luiz de Camões, 2090 – Conta Dinheiro – 88520-000 – Lages, SC. E-mail: buzzifjr@hotmail.com; marco_a_bento@hotmail.com; roni_ansolin@hotmail.com

Recebido em 01/07/2014 - Aceito para publicação em 15/06/2015

Resumo

Neste estudo, objetivamos identificar as formas de raridade e suas proporções entre as árvores da Floresta Ombrófila Mista. Elaboramos uma matriz vegetacional de abundância de espécies a partir de 11 unidades amostrais distribuídas em diferentes fragmentos na porção sul do Planalto Catarinense. Em cada unidade amostral contamos e identificamos todas as árvores que apresentaram diâmetro à altura do peito (DAP) ≥ 5 cm. Para encontrar as espécies pertencentes a cada classe de raridade, bem como as comuns, utilizamos uma grade de descritores que classificou as espécies em quatro categorias: C= eurioicas não-escassas; R1= eurioicas escassas; R2= estenoicas não-escassas; R3= estenoicas escassas. Nossos resultados demonstraram que das 142 espécies analisadas, 92 (64,79%) foram eurioicas não-escassa (C). Cinco espécies (3,52%) foram classificadas na forma de raridade R1, 31 (21,83%) na forma de raridade R2 e 14 (9,86%) na forma R3. O condicionante mais importante da raridade foi a preferência por habitat, ou seja, espécies estenóicas, representadas nas formas de raridade R2 e R3. As espécies classificadas na forma de raridade R3 são as que mais necessitam esforços e medidas de conservação..
Palavras-chave: Espécies Raras; Floresta com Araucária; Conservação.

Abstract

This study aimed to identify the forms of rarity and their proportions among trees of Araucaria Forest. We developed an abundance matrix of species from sampling units distributed through 11 different fragments in the southern plateau portion of Santa Catarina state. In each sampling unit we counted and identified all the trees that presented diameter at breast height (DBH) ≥ 5 cm. We used a grid of descriptors to find the species belonging to each rarity class, which classified the species into four categories: C= non-scarce euryecious; R1= scarce euryecious; R2= non-scarce stenoecious; R3= scarce stenoecious. Our results showed that from 142 species analyzed, 92 (64.79%) were non-scarce euryecious (C). Five species (3.52%) were classified in the form of rarity R1, 31 (21.83%) in the form of rarity R2 and 14 (9.86%) in the form of rarity R3. The main conditioning factor of the rarity was the habitat preference, i.e., stenoecious species, represented in the forms of rarity R2 and R3. The species classified in the form of rarity R3 are the ones that most need efforts in conservation.
Keywords: Rare species, Araucaria Forest, Conservation.





Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.