Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Euphorbiaceae
Nome Científico: Croton floribundus Spreng
Nomes Comuns: capixinguí, capoeira preta, lixeira, sangra dágua, sangue de dragão, sangue de drago, tapixingui, urucurana, velame, velame de cheiro
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: pioneira
Ocorrência: floresta estacional semidecídual
Distribuição Geográfica: MG MS PR RJ SP
Dispersão: autocoria
Polinização: melitofilia
Floração: JUL AGO SET
Frutificação: FEV MAR ABR

Utilização
Utilizada para: Construção
Celulose
Medicina
Melífera

Dados do Caule
Tipo de Copa: irregular
Densidade da Madeira: 0,6
Observações: Apresenta uma espessura de até 12 mm. A casca externa apresenta uma coloração cinza e a interna quando ferida é pegajosa, exsudando látex aquoso incolor.

Dados da Flor
Cor: amarela
Estrutura: capítulo
Tipo: Inflorescencia
Sexual: capítulo
Observações: As flores são unisexuais encontrando-se as masculinas na parte superior e as femininas na parte inferior dos rácimos pendentes. As influorescências tem até 30 cm de comprimento.

Dados da Folha
Tipo: Simples
Forma da Folha: lanceolada
Tamanho da Folha: 5,5 x 10
Inserção: alterna
Contem: Estipulas
Pilosidade
Observações: Apresenta os dois lados bem ásperos e também exsuda abundante látex aquoso.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: cápsula
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: marrom
Deiscencia: sim
Periodicidade: anual

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Pragas: o coleóptero cerambicídeo Diploschema rotundicolle, "broca do caule", com danos leves.

Dados das Sementes
Cor da Semente: preta
Quantidade: 3
Observações: A semente tem forma arredondada lembrando uma pequena bolinha.

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Colher os frutos diretamente da árvore, quando iniciarem a abertura espontânea. A extração da semente é feita manualmente, batendo no fruto com um martelo ou deixando ao sol, sob peneira, para deiscência explosiva. Apresentam viabilidade curta não ultrapassando os 4 meses.
Sementes por Kilo: 27500
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Apresenta dormência fotoblástica, a qual não é impedimento para as sementes germinarem sem tratamento.
Quebra Natural: 4 meses
Quebra Câmara: 8 meses
Umidade: 0 %
Germinação: 50 % após 90 dias
Propagação: estaquia
Condução: pleno sol
Formação: a 30 cm em 4 meses
Tolerância: sim, 5 semanas após a germinação.
Plantio: Apresenta incremento médio anual em volume com casca de até 6,40 m3/ha/ano. Seu crescimento é moderado em regeneração artificial, porém em regeneração natural a espécie apresentou crescimento rápido. O espaçamento médio utilizado foi de 3 x 3 m e a porcentagem média de plantas vivas foi de 67%.
Conservação: Muito ameaçada.

Bibliografia
ENGEL, V.L.; MORAIS, A.L. & POGGIANI, F. Guia de localização e reconhecimento das principais espécies arbóreas do Parque da Esalq. Relatório de Pesquisa. FEALQ. 1984.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. Manual de Identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa. Ed. Plantarum. 1992. 352p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.