Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Bignoniaceae
Nome Científico: Zeyheria tuberculosa (Vell.) Bur.
Nomes Comuns: ipê felpudo, ipê tabaco, bolsa de pastor, camará uçu, bucho de carneiro, ipê preto, ipê cumbuca, ipê una, velame do mato, saco de carneiro, ipê bóia, ipê cabeludo, camaruçu, bucho de boi, ipê cascudo, velame, cinco folhas, bucho, bordão de velho
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: oportunista
Ocorrência: floresta estacional semidecídual , floresta ombrófila densa
Distribuição Geográfica: BA ES GO MG MS RJ SP
Dispersão: anemocoria
Polinização: melitofilia
Floração: NOV DEZ JAN
Frutificação: JUL AGO SET

Utilização
Utilizada para: Construção
Carvão
Arborização Urbana
Paisagismo
Madeira Nobre

Dados do Caule
Tipo de Copa: globosa
Tipo de Estrutura: não há
Densidade da Madeira: 0,8
Observações: A casca é profundamente sulcada, com espessura média de 5 cm, que protege a árvore contra a passagem do fogo.

Dados da Flor
Forma da Flor: tubo
Número de Pétalas: 5
Tamanho da Flor: 2
Cor: amarela
Estrutura: cacho
Tipo: Inflorescencia
Sexual: cacho
Observações: As flores são amarelas e maculadas de vermelho, reunidas em densa panícula terminal de até 30 cm de comprimento.

Dados da Folha
Estrutura: digitada
Tipo: Composta
Forma da Folha: obovada
Tamanho da Folha: 18 x 40
Inserção: oposta
Consistência: coriácea
Contem: Nervação
Pilosidade
Observações: A folha mede 50 a 90 cm de comprimento quando jovem e 30 a 40 cm quando adulta, composta por 5 folíolos com dimensões médias de 11 a 12 x 20 a 30 cm, inseridos num mesmo ponto da raque. O pecíolo é longo (cerca de 25 cm), cilíndrico e aveludado. Possui pilosidade tomentosa em ambas as faces e púlvino bem desenvolvido. A árvore apresenta caducifolia nos meses de julho, agosto e setembro, quando está frutificando.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: cápsula
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: marrom
Tamanho: 15
Deiscencia: sim
Periodicidade: anual
Observações: O fruto é uma cápsula orbicular lenhosa e achatada, totalmente coberta por densa camada de pêlos de até 1 cm de comprimento. O tamanho varia de 10 a 15 cm de largura e 10 a 25 cm de comprimento.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: A principal espécie que poderá se tornar um problema, é uma lagarta (Lepdoptera, Pyralidae) que raspa as folhas, juntando-as para formar uma tenda, onde se abrigam todos os indivíduos da população. Foram observados parasito (Hymenoptera, Braconidae) nas pupas mantidas em laboratório.

Dados das Sementes
Forma da Semente: asa
Cor da Semente: amarela
Tamanho: 5
Quantidade: 100
Observações: A semente, envolta por uma asa celulósica fina, em condições de vento forte, é dispersa até 100 m de distância.

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Os frutos devem ser colhidos da árvore quando iniciarem a abertura expontânea (mudam de coloração verde para marrom). Em seguida, deixá-los ao sol para completarem a abertura e liberação das sementes. As sementes devem ser armazenadas em câmara fria e seca (T = 18 C e UR = 60%).
Sementes por Kilo: 12000
Dormência: não
Quebra Natural: 6 meses
Quebra Câmara: 18 meses
Umidade: 60 %
Germinação: 90 % após 15 dias
Propagação: estaquia
Condução: pleno sol
Formação: a 30 cm em 6 meses
Tolerância: sim, 2 semanas após a germinação.
Plantio: É espécie invasora de pastagens e áreas degradadas (pioneira antrópica), formando populações puras naturais. Apresenta crescimento monopodial acentuado e boa desrama natural, formando fustes retilíneos com mais de 2/3 da altura total da árvore (mesmo a pleno sol). Pode ser plantada a pleno sol, em plantio puro ou em consórcio com espécies oportunistas e tolerantes. É recomendada em sistemas agroflorestal e silvipastoril. Apresenta brotação da touça após sucessivos cortes e em diferentes idades, mostrando aptidão ao regime de talhadia. O espaçamento mais indicado é 2 x 2 m, chegando a atingir 24 m3/ha.ano.
Conservação: Muito ameaçada.

Bibliografia
AGUIAR, I.B.; PINÃ-RODRIGUES, F.C.M. & FIGLIOLIA, M.B. Sementes Florestais Tropicais. ABRATES. Brasília. 1993. 350p.

CORREA, M.P. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas Cultivadas. Ministério da Agricultura. Rio de janeiro. 1931.

ENGEL, V.L.; MORAIS, A.L. & POGGIANI, F. Guia de localização e reconhecimento das principais espécies arbóreas do Parque da Esalq. Relatório de Pesquisa. FEALQ. 1984.

KUERA, N.Y.M. Arboles comunes del paraguay. Colleción e Intercambio. Cuerpo de Paz. 1987.425p.

RIZZINI, C.T. Árvores e madeiras úteis do Brasil. Manual de dendrologia brasileira. Ed. Edgar Bluncher. 294p.

ROSSI, L. A flora arbórea-arbustiva da mata da reserva da cidade universitária Armando de Salles Oliveira , São Paulo - SP. Tese de Mestrado. USP. São Paulo. 1987. 270p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.

BARROSO, M.G. Sistemática de Angiospermas do Brasil. EDUSP. V.1, V.2, V3.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.