Hymenaea courbaril var. stilbocarpa (Jatobá)

Ticiane Rossi (trossi@esalq.usp.br)
Engenheira Florestal, Mestranda em Recursos Florestais na Esalq/USP
Atualizado em 22/07/2008

Taxonomia

Divisão: Magnoliophyta (Angiospermae)
Classe: Magnoliopsida (Dicotiledonae)
Ordem: Fabales
Família: Caesalpiniaceae (Caesalpinioideae, Leguminosae)
Espécie: Hymenaea courbaril Linnaeus var. stilbocarpa (Hayne) Y. T. Lee & Langenheim, J. Arnold. Arbor. 55(3): 448, 1974.
Sinonímia botânica: Hymenaea confertifolia Hayne; Hymenaea stilbocarpa Hayne
Nomes comuns: jatobá, jutaí, jutaí-açu, jutaí-bravo, jutaí-grande, jataí, jataí-açu, jataí-grande, jataí-peba, cuapinol, guapinol, locust, kawanari, rode, lokus, algarrobo, jatahy.

Descrição


Fonte: http://www.apropani.org.br

O jatobá pode alcançar 40 m de altura e 2 m de diâmetro com fuste cilíndrico, normalmente reto. A copa é ampla e a casca apresenta 10 mm de espessura, é cinza clara, praticamente lisa, exceto na base onde é mais grossa e gretada.

As folhas são compostas, coriáceas, apresentando 2 folíolos, oblongo-lanceolados e oblíquos, por folha, de bases desiguais, com 6 a 14 cm de comprimento e 3 a 5 cm de largura.

As flores têm 8 cm de largura, são brancas, dispostas em corimbos terminais.

Os frutos são indeiscentes, oblongos, duros, pardo-escuros, medindo em geral de 8 a 15 cm de comprimento por 3 a 5 cm de largura, apresentando endocarpo carnoso, farináceo, comestível, amarelo-claro e adocicado, contendo 3 a 6 sementes sem endorsperma.

A semente é grande, globosa a oval, de coloração parda-escura.

Aspectos reprodutivos e Fenologia


Fonte: http://www.pirenopolis.tur.br

Hymenaea courbaril var. stilbocarpa é uma planta hermafrodita e alógama, cuja polinização é realizada pelos morcegos e dispersão por mamíferos. Os polinizadores, os morcegos e beija-flores, promovem a dispersão do pólen em distâncias de até 7 km. A dispersão dos frutos é realizada por mamíferos, tais como a anta, veado, queixada e macaco-prego.

O jatobá floresce durante a estação seca, entre março e maio, e frutifica depois de 3 a 4 meses, entre agosto a outubro.

Aspectos ecológicos

O jatobá pertence ao grupo sucessional secundária tardia a clímax exigente à luz, sendo característico de interior de floresta primária. É característico de Floresta Estacional Semidecidual e Decidual, Floresta Ombrófila Desa (Floresta Atlântica) e nos encraves vegetacionais nas serras da região Nordeste.

É uma espécie rara (menos de 1 árvore por ha) com distribuição irregular. A abundância de jatobá está diminuindo por causa da extração de madeira.

Área de ocorrência

A espécie Hymenaea courbaril var.stilbocarpa ocorre naturalmente na Argentina, Bolívia, Paraguai e Brasil, nas regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e no estado do Paraná. Ocorre em quase todas as regiões de matas pluviais a matas secas.

Clima e Solos

Naturalmente o jatobá ocorre em área com estação seca inexistente até 6 meses e temperatura média entre 20 e 30ºC.Os solos são profundos, arenosos, bem drenados, podendo ser encontrado também em solos argilosos, com pH de ácido a neutro. Não se desenvolve bem em solos inundáveis.

Produtos e Utilizações

Madeira

No mercado, o jatobá é comercializado junto a outras espécies do mesmo gênero Hymenaea que são conhecidas pelos mesmos nomes vulgares, apresentam características morfológicas muito semelhantes e são utilizadas comercialmente sem distinção.

A madeira de Hymenaea courbaril var. stilbocarpa é de excelente qualidade, muito pesada (0,7 a 0,89 g/cm³) e muito dura ao corte. A coloração do cerne é variável, de castanho-rosa-claro a castanho-avermelhado e alburno diferenciado, branco amarelado. Apresenta textura média uniforme, grã regular a irregular, superfície pouco lustrosa e ligeiramente áspera, com cheiro e gosto característicos. A secagem ao ar apresenta poucas deformações, no entanto, se a secagem no secador é demasiadamente rápida, ocorre a formação de rachaduras e empenamentos.

É de difícil trababilhidade, agüenta bem pregos e parafusos, pode ser colada e seu acabamento é satisfatório. É naturalmente muito resistente a podridão de fungos e cupins. O cerne não é tratável a soluções de preservantes, pois é pouco permeável.

A madeira, por ser muito pesada e de propriedades mecânicas altas, pode ser usada para acabamentos internos, como vigas, caibros, ripas, tacos e assoalhos, cabos de ferramentas, construções externas, como dormentes e cruzetas, esquadrias, folhas faqueadas decorativas e movelaria em geral.

Outros Usos

A madeira do jatobá é principal produto, no entanto é necessário avaliar que essa árvore apresenta a possibilidade de gerar diversos outros usos, que valorizam e agregam valor à árvore viva. Abaixo estão descritas as partes, os produtos e benefícios obtidos de acordo com a literatura consultada.

Casca: é usada em medicina popular para fazer chá contra gripe, bronquite, cistite, catarro no peito, diarréia, vermes, fraqueza, cólicas, infecções na bexiga, para ajudar na digestão e no tratamento de câncer de próstata.

Resina: normalmente é encontrada no pé da árvore, proveniente dos ataques de insetos no tronco. A resina pode ser mastigada para aliviar as dores no estômago e flatulência, queimada para fazer inalação no caso de resfriados e dores de cabeça e ainda, pode ser utilizada como verniz vegetal. Não obstante, estudos avaliaram a presença de diterpenos, que comprovaram atividade antimicrobiana contra Gram positivas.

Sementes: produz uma goma solúvel em água, menos viscosa do que a goma de Cyamopsis tetragonolobus (goma guar). O polissacarídeo presente na goma das sementes contém galactose, glicose, xilose e arabinose, sendo inclusive foco de uma patente disponível no site: http://www.freepatentsonline.com/5488105.html. O potencial dos polissacarídeos das sementes de jatobá foi avaliado como estabilizante na fabricação de sorvetes, junamente com a goma de Acacia glomerosa e Enterolobium cyclocarpum, obtendo bons resultados.

Folha: o extrato hidrocetônico de folhas de jatobá mostrou ser rico em flavonóides e foram detectadas atividades antifúngica e anticolinesterásico.

Fruto: a parte farinácea do fruto é utilizada na alimentação humana e animal. Foi avaliada a fabricação de biscoitos com essa farinha utilizando trigo e açúcar mascavo, obtendo-se maior aceitação pelos consumidores entre os produtos testados.

Árvore inteira: Sugerida no paisagismo e no reflorestamento para recuperação ambiental, por ser um atrativo para a fauna silvestre e ser uma espécie potencial para fitorremediação em solos contaminados por metais pesados.

Sementes e Produção de mudas


Fonte: LORENZI, 2000

A colheita dos frutos pode ser realizada diretamente da árvore, ou quando os frutos maduros iniciarem queda expontânea, durante o mês de setembro. Em seguida, as sementes devem ser extraídas do fruto, de forma manual, e separada da polpa farinácea, através de lavagem em água corrente.

O número de sementes por quilo é de 250 e as sementes apresentam dormência do tegumento, sendo que os tratamentos de superação de dormência podem ser: escarificação com ácido sulfúrico concentrado por 25 min; escarificação com hidróxido de sódio (concentração de 23,5 Molar) por 20 min; imersão em água por 24 h e escarificação mecânica com lixa. A taxa de germinação para estes tratamentos varia entre 90 a 100 %, iniciando aos 15 até os 21 dias depois da germinação.

A viabilidade de armazenamento das sementes de jatobé é curta, não ultrapassando 4 meses. No entanto, após 6 meses de armazenamento em câmara fria, a taxa de germinação (com escarificação mecânica) varia entre 21% e 68%, com emergência assincrônica.

Para a produção de mudas de jatobá, poderá ser recomendada uma mistura de substratos contendo solo, areia e esterco em sacos de polietileno 15x20 cm e a pleno sol. A semeadura é realizada diretamente no saco plástico ou semeadura direta no campo.

As mudas apresentam porte adequado para plantio cerca de 3 meses após a semeadura. Recomenda-se que, antes do plantio, as mudas passem no viveiro por um período de déficit hídrico até o aparecimento de murcha foliar.


Foto: Fernando Talagiba

Silvicultura

O crescimento do jatobá, em plantios homogêneos, pode ser considerado como lento a moderado, considerado semi-heliófila, tolerando sombra apenas na fase juvenil. Apresenta ramificação simpodial, com tronco curto, sem definição de dominância apical, com a formação de várias bifurcações e, por sua desrama natural ser deficiente e necessita podas periódicas para apresentar fuste definido.


Fonte: TONINI e ARCO-VERDE, 2004.

Um espaçamento inicial sugerido é de 3 x 3 m, com um desbaste realizado aos 12 ou aos 14 anos, deixando-se 77 árvores/ha no corte final (a adoção de espaçamentos amplos não tem criado maiores problemas devido a não haver formação de galhos epicórnicos).

O incremento do jatobá é de até 10 m3/ha/ano, sendo a rotação é estimada para gerar produtos serrados e laminados, entre 30 e 60 anos. O comportamento silvicultural desta espécie tem sido melhor em plantio misto do que em plantio puro.

Conservação genética

O jatobá corre risco de extinção e consta na lista de espécies prioritárias pelo instituto florestal de São Paulo, para conservação genética “ex situ”.

Bibliografias Consultadas

AdC. Árboles de Centroamérica. Disponível em: http://herbaria.plants.ox.ac.uk/adc/downloads/capitulos_especies_y_anexos/hymenaea_courbaril.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

BARBOSA, MPC; MARTINS, MCC; AIDAR, M. et al. Estudo Químico e Avaliação de Atividade Biológica de Folhas de Hymenaea courbaril var. stilbocarpa (Hayne) Lee & Lang. 30a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Sociedade Brasileira de Química (SBQ). 2002. Disponível em: https://sec.sbq.org.br/cdrom/30ra/resumos/T1728-1.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

CHUDNOFF, M. Tropical Timbers of the World. USDA Forest Service. Ag Handbook No. 607. 1984. Disponível em: www.durablewoods.com/durable-woods/woodspecies/specs-jatoba.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

FERNANDES, TT; SANTOS ATF; PIMENTA FC. Atividade antimicrobiana das plantas Plathymenia reticulata, Hymenaea courbaril e Guazuma ulmifolia. Plan. Trop. v. 34 p. 113-122. 2005. Disponível em: www.iptsp.ufg.br/download/2005_34(2)113_122.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

FILHO, JLSC; ARRIGONI-BLANK, MF; BLANK, AF et al. Produção de mudas de jatobá (Hymenaea courbaril L.) em diferentes ambientes, recipientes e composições de substratos. Cerne, v.9,n.1, p.109-118, 2003. Disponível em: www.dcf.ufla.br/cerne/Revistav9n1-2003/art%2010%20023%2002%20Editorado.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

MAINIERI, C; CHIMELO, JP. Fichas de características das madeiras brasileiras. São Paulo: IPT, 1989. 432p. 1989.

MARQUES, TCLL; MOREIRA, FMS; SIQUEIRA, JO. Crescimento e teor de metais de mudas de espécies arbóreas cultivadas em solo contaminado com metais pesados. Pesq. agropec. bras., vol.35, no.1, p 121-132. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pab/v35n1/6907.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

MOREIRA, MAT; SOBRINHO, SP; SILVA, SJ et al. Superação da dormência em sementes de jatobá (Hymenaea courbaril L.). sd. Disponível em: www.prp.ueg.br/06v1/ctd/pesq/inic_cien/eventos/sic2005/arquivos/biologicas/superacao_dormencia.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

OMAIRA, A; GLADYS, LP; MARITZA,M; et al. Structural features of a xylogalactan isolated from Hymenaea courbaril gum. Food Hydr. v. 21, p.1302–1309. 2007.

PASSOS, OS; LOBO, JBA; VENTURA, OSP et al. Estudos preliminares de juntas de madeira-madeira coladas com material polimérico: superfície de fratura. 17º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais. Foz do Iguaçu, PR. 2006. Disponível em: www.metallum.com.br/17cbecimat/resumos/17Cbecimat-410-018.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

RINCÓN, F; LEÓN, GP; BELTRÁN, O. Behaviour of a Mixture of Acacia glomerosa, Enterolobium cyclocarpum and Hymenaea courbaril Gums in Ice Cream Preparation. 2006. Disponível em: http://fst.sagepub.com/cgi/content/abstract/12/1/13. Acesso em 28 de março de 2008.

RIZZINI, C.T. Árvores e madeiras úteis do Brasil: manual de dendrologia brasileira. 2.ed., São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda., 1986, 296p.

SHANTLEY, P; MEDINA, G. Frutíferas e Plantas Úteis na Vida Amazônica. Belém: CIFOR, Imazon, 2005. Disponível em: http://sintropia.org/2007/10/07/frutiferas-e-plantas-uteis-na-vida-amazonica/. Acesso em 28 de março de 2008.

SILVA,HD; CASTRO, ML; RANAL, MA. Emergência de plântulas de Hymenaea courbaril com seis meses de armazenamento. Sd. Disponível em: www.iisc.iciag.ufu.br/resumos/trabalho23.pdf. Acesso em 28 de março de 2008.

SILVA, MR; SILVA, MAP; CHANG, YK. Use of jatoba (Hymenaea tigonocarpa Mart.) flour in the production of cookies and acceptance evaluation using univariate and multivariate sensory tests. Cien. e Tec. de Alim. v.18, n. 1. 1998. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-20611998000100007&script=sci_arttext. Acesso em 28 de março de 2008.

TOLEDO, RM. Modelagem espacial do fluxo de sementes de Jatobá (Hymenaea courbaril), através de marcadores moleculares, na paisagem fragmentada do Pontal do Paranapanema, SP. Dissertação de mestrado. Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz". Piracicaba, 2005. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/91/91131/tde-15072005-162400/. Acesso em 28 de março de 2008.

TONINI, H; ARCO-VERDE, MF O crescimento do Jatobá (Hymenaea courbaril) em Roraima. Comunicado Técnico. Boa vista, RR. Abril, 2004. Disponível em: www.cpafrr.embrapa.br/.../publica_es/comunicado_t_cnico/o_crescimento_do_jatob_
hymenaea_courbaril_em_roraima
. Acesso em 28 de março de 2008.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Avenida Pádua Dias, 11 - Caixa Postal 530 - CEP: 13400-970 - Piracicaba/SP
Reprodução permitida desde que citada a fonte.