Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Fabaceae
Nome Científico: Amburana claudii (Fr. All.) A. C. Smith
Nomes Comuns: ambaúrana, amburana, amburana de cheiro, angelim, baru, cabocla, cerejeira rajada, cumaré, cumaru, cumaru de cheiro, cumaru do ceará, cumbaru das caatingas, emburana, emburana de cheiro, imburana, imburana brava, imburana cheirosa, imburana de cheiro, louro ingá, umburana, umburana lisa, umburana macho, umburana vermelha, umburana de cheiro
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: pioneira
Ocorrência: floresta estacional semidecídual , floresta ombrófila densa , cerrado , caatinga
Distribuição Geográfica: AL BA CE ES GO MA MG MS MT PB PE PI RN SE SP TO
Dispersão: anemocoria
Floração: ABR MAI JUN
Frutificação: JUN JUL AGO SET

Utilização
Utilizada para: Construção
Carvão
Madeira Nobre

Dados do Caule
Tipo de Copa: irregular
Densidade da Madeira: 0,6
Observações: A casca externa apresenta cor variável, amarela avermelhada e vermelha pardacenta. A casca interna exala odor característico de cumarina, sua coloração é amarelada e apresenta um sabor amargo.

Dados da Flor
Tamanho da Flor: 3,5
Cor: amarela
Estrutura: cacho
Tipo: Isolada
Sexual: cacho
Observações: As flores são pequenas e perfumadas, agrupadas em racimos axilares.

Dados da Folha
Estrutura: imparipinada
Tipo: Composta
Forma da Folha: ovalada
Tamanho da Folha: 8 x 16
Inserção: alterna
Consistência: foliácea
Contem: Nervação
Observações: Cheiro característico e um sabor amargo. Os ramos apresentam cicatrizes foliares aparentes.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: sâmara
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: preto
Tamanho: 8
Deiscencia: sim
Periodicidade: anual
Observações: O fruto é semi cilíndrico, coriáceo e contém uma semente.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Pragas: as mudas são atacadas na fase de viveiro pelo gafanhoto "saltam" e pelo "bicho-pau", com incidência periódica, afetando as brotações novas e tenras.

Dados das Sementes
Forma da Semente: asa
Cor da Semente: marrom
Tamanho: 1,5
Quantidade: 1
Observações: A semente é provida de um revestimento celulósico, branco pálido e apresenta odor ativo e agradável de cumarina e sabor amargo e picante.

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Os frutos são coletados diretamente da árvore ou são recolhidos no chão após a sua queda espontânea. Essa espécie possui comportamento ortodoxo, podendo ser conservada a longo prazo em câmaras a baixas temperaturas.
Sementes por Kilo: 1300
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Tratamento de imersão em água fervente fora do aquecimento, durante 15 ou 30 minutos aceleram a capacidade germinativa.
Quebra Natural: 3 meses
Quebra Câmara: 18 meses
Germinação: 80 % após 20 dias
Propagação: estaquia
Condução: sombreado
Formação: a 30 cm em 4 meses
Tolerância: sim, 5 semanas após a germinação.
Plantio: Apresenta crescimento lento e há poucos dados sobre seu comportamento em plantio. O espaçamento médio mais utilizado é de 4 x 4 m, onde a porcentagem de plantas vivas é de 70%.
Conservação: Muito ameaçada.

Bibliografia
CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. Manual de Identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa. Ed. Plantarum. 1992. 352p.

JANKOWSKY, I.P. Madeiras Brasileiras. Caxias do Sul, SPECTRUM, 1990, V.1.

ENGEL, V.L.; MORAIS, A.L. & POGGIANI, F. Guia de localização e reconhecimento das principais espécies arbóreas do Parque da Esalq. Relatório de Pesquisa. FEALQ. 1984.

BARROSO, M.G. Sistemática de Angiospermas do Brasil. EDUSP. V.1, V.2, V3.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Avenida Pádua Dias, 11 - Caixa Postal 530 - CEP: 13400-970 - Piracicaba/SP
Reprodução permitida desde que citada a fonte.