Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Caesalpinaceae
Nome Científico: Bauhinia forficata Link
Nomes Comuns: casco de vaca, bauínia, mão de vaca, miroró, mororó, mororó de espinho, pata de boi, pata de vaca branca, pata de vaca com espinho, unha danta, unha de boi, unha de vaca, unha de vaca de espinho
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: pioneira
Ocorrência: floresta estacional semidecídual , floresta ombrófila densa , floresta de araucária , cerrado
Distribuição Geográfica: BA CE ES MG MS PB PE PI PR RJ RO RS SC SP
Dispersão: autocoria
Polinização: quiropterofilia
Floração: JAN OUT NOV DEZ
Frutificação: JUL AGO SET OUT

Utilização
Utilizada para: Carvão
Celulose
Arborização Urbana
Medicina
Paisagismo

Dados do Caule
Tipo de Copa: globosa
Tipo de Estrutura: raíz superficial
Densidade da Madeira: 0,66
Observações: A casca tem uma espessura de até 7 mm, sendo que a sua parte externa é finamente fissurada.

Dados da Flor
Número de Pétalas: 5
Tamanho da Flor: 9
Cor: branca
Estrutura: cacho
Tipo: Inflorescencia
Sexual: cacho
Observações: As flores apresentam pétalas que contém 10 estames.

Dados da Folha
Tipo: Simples
Forma da Folha: ovalada
Tamanho da Folha: 6 x 10
Inserção: alterna
Consistência: coriácea
Contem: Glandulas
Estipulas
Observações: As folhas apresentam limbo liso, brilhante na face superior, com glândulas na base.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: vagem
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: marrom
Tamanho: 20
Deiscencia: sim
Periodicidade: anual
Observações: O fruto abre-se em 2 partes e contém deiscência elástica.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Pragas: "serradores cerambicídeos" (Oncideres saga), os adultos se alimentam da casca dos galhos serrados e (Oncideres gutturator), com danos de grau variável . O (Gibbobruchus speculifer), da família Bruchidae, cujas larvas broqueiam as sementes com danos consideráveis.

Dados das Sementes
Forma da Semente: asa
Cor da Semente: castanha
Tamanho: 1
Quantidade: 7
Observações: As sementes são achatadas e apresentam poros.

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: A coleta pode ser feita fazendo pressão dos dedos na vagem e assim as sementes saem manualmente, ou colocando os frutos colhidos no sol para que se abra e solte-as. O melhor substrato para germinação é a vermiculita e a melhor temperatura é 30C.
Sementes por Kilo: 15100
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Imersão em água quente a 80C, fora do aquecimento, por 10 minutos para embebição.
Quebra Natural: 12 meses
Quebra Câmara: 12 meses
Umidade: 0 %
Germinação: 91 % após 20 dias
Propagação: estaquia
Condução: pleno sol
Formação: a 30 cm em 5 meses
Tolerância: sim. 4 semanas após a germinação.
Plantio: Essa espécie apresenta crescimento moderado, sendo que o espaçamento médio utilizado é de 4 x 4 m , onde a porcentagem média de plantas vivas é de 80%.
Conservação: Não ameaçada.

Bibliografia
ENGEL, V.L.; MORAIS, A.L. & POGGIANI, F. Guia de localização e reconhecimento das principais espécies arbóreas do Parque da Esalq. Relatório de Pesquisa. FEALQ. 1984.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. Manual de Identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa. Ed. Plantarum. 1992. 352p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.

BARROSO, M.G. Sistemática de Angiospermas do Brasil. EDUSP. V.1, V.2, V3.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.