Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Lecythidaceae
Nome Científico: Bertholletia excelsa Humboldt e Bonpland
Nomes Comuns: castanha do pará, castanha, castanheira, castanha verdadeira, castanheiro, castanha do brasil, amendoeira da américa, castanha mansa, nut, Brazil nut, Para nut, noix du Brésil
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: oportunista
Ocorrência: floresta amazônica (terra firme)
Distribuição Geográfica: AC AM MT PA RO
Dispersão: zoocoria
Polinização: melitofilia
Floração: OUT NOV DEZ
Frutificação: JAN FEV MAR ABR

Utilização
Utilizada para: Resina
Frutifera

Dados do Caule
Tipo de Copa: ovalada
Tipo de Estrutura: não há
Densidade da Madeira: 0,75
Observações: A madeira é moderada/pesada, macia ao corte, textura média, graXXXXXX, superfície sem brilho e lisa ao tato. Casca externa mais grossa que a interna.

Dados da Flor
Forma da Flor: zigomôrfic
Número de Pétalas: 6
Tamanho da Flor: 3
Cor: branca-amarelada
Estrutura: espiga
Tipo: Isolada
Sexual: espiga
Observações: Inflorescências terminais ou nas axilas das folhas superiores, com as espigas arranjadas em panículas, com 2 ou menos freqüentemente 3 ordens de ramificações XXXXXXXXXXX.

Dados da Folha
Tipo: Simples
Forma da Folha: oblonga
Tamanho da Folha: 11 x 25
Inserção: alterna
Consistência: coriácea
Contem:
Observações: Folhas decíduas, ápice acuminado, base arredondada a subcuneada, margens inteiras ou fracamente crenuladas; pecíolos 20-35 mm comprimento. Folhas glabras. Árvore alta, 30-50 m, emergente.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: lenhoso
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: marrom
Tamanho: 11
Deiscencia: não
Periodicidade: anual
Observações: O pixídio, chamado de ouriço, é usado para diversos fins : na culinária, como cinzeiro , vasos, como combustível (usado para fazer fumaça na coagulação da borracha)

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Não existem predadores ou patógenos sérios, com exceção de ataque de formigas cortadoras de folhas em plantações.

Dados das Sementes
Cor da Semente: marrom
Tamanho: 4
Quantidade: 15
Observações: Sementes são envoltas por testa extremamente dura, lenhosa. Embora o único XXXXX sementes para ocorrer por autofecundação XXXXXXXXXXX

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Recolher os frutos do chão após sua queda espontânea; em seguida retirar as sementes dos frutos através do quebramento do invólucro lenhoso.
Sementes por Kilo: 70
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Dormência variável dependendo da origem e necessidade de tratamento antes da semeadura; geralmente está associada á impermeabilidade do tegumento. A retirada da casca mais o tratamento com acetato fenil mercúrio deram os melhores resultados. Outra alternativa é enfraquecer mecanicamente a casca para permitir a entrada de água.
Quebra Natural: 0 meses
Quebra Câmara: 5 meses
Germinação: 80 % após 90 dias
Propagação: enxertia
Condução: sombreado
Tolerância: não
Plantio: Fitotecnia - a alta produtividade dos castanhais ainda necessita de maior esclarecimento de sua ecologia reprodutiva. Povoamentos com finalidade madeireira e produção de frutos: recomenda-se neste caso, a não XXXXXX das árvores. Com espaçamento 3 x 2 e procedências em espaçamento 4 x 4 m, a castanheira foi eleita como promissora por programas de reflorestamento. Isto decorre de suas características silviculturais como a boa forma do fuste e desrama natural , rusticidade, tolerância á luz e crescimento relativamente rápido, como também o valor de sua madeira. XXXXXXXX
Conservação: Não ameaçada.

Bibliografia
MORI, S.A. & PRANCE, G.T. Lecyçidaceae - Part II. çe zygomorphic-flowered New World Genera. Flora Neotropcia, Monograph 21(ii). 1990. 376p.

MORI, S.A. & LEPSCH-CUNHA, N.

PRANCE, G.T. & SILVA, M.F.. Árvores de Manaus. Manaus: INPA. 1975. 312p.

KANASHIRO, M. & YARED, J.A.G. experiência com plantios florestais na Bacia Amazônica. In: O desafio das florestas neotropicais. Curitiba. Abril. 1991.

YARED, J.A.G. et al. Silvicultura como atividade econômica na região amazônica. In: L.R. Graça & V.A. Hoeflish (eds.). I Encontro Brasileiro de Economia Florestal. Anais. Curitiba. 1988a. 441p.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.