Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Caesalpinaceae
Nome Científico: Caáia grandis Linnaeus f.
Nomes Comuns: acácia, acácia nacional, canafístula, geneúna, gecuma, malimari, marinarirana, sarro, seruária, cássia, cássia grande, cássia rosa, marimari grande, marimari preto, marimari sarro, marizeiro . COLOMBIA : ca±asfistulo ; COSTA RICA e HONDURAS : carao ; EUA : pink shower, horse cassia
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: oportunista
Ocorrência: floresta estacional semidecídua , flor. amazônica (terra firme) , caatinga , mata ciliar ,pantanal
Distribuição Geográfica: AM MA MS MT PA PB SE TO
Dispersão: auto/hidrocoria
Floração: AGO SET OUT
Frutificação: OUT NOV

Utilização
Utilizada para: Construção
Carvão
Resina
Arborização Urbana
Paisagismo

Dados do Caule
Tipo de Copa: irregular
Tipo de Estrutura: não há
Densidade da Madeira: 0,65
Observações: Espessura até 3 cm; a externa acinzentada a marrom-clara, com manchas; levemente fissurada e pouca descamação; interna vermelho-amarelada. Tronco cilíndrico e tortuoso, fuste geralmente curto, no máximo 8 m. Alburno castanho-claro e cerne café-amarelado com veios escuros; cheiro e gosto imperceptíveis. Copa larga e rala , ramos com lenticelas.

Dados da Flor
Forma da Flor: caesalpina
Número de Pétalas: 5
Cor: rosa
Estrutura: cacho
Tipo: Inflorescencia
Sexual: cacho
Observações: Pedicelo 1-2 cm de comprimento, com brácteas na base, 5 sépalas vermelhas. Rácemo axilar até 11 cm de comprimento, cobrindo totalmente a copa.

Dados da Folha
Estrutura: paripinada
Tipo: Composta
Forma da Folha: oblonga/elíptica
Tamanho da Folha: 10 x 17
Inserção: alterna
Consistência: foliácea
Contem: Nervação
Pilosidade
Observações: Folha com 8-20 pares de folíolos até 6 cm de comp., em geral, 2-2,5 X 1,o cm, velutino-tomentosas na face inferior, margem inteira; raque cilíndrico tomentoso; pecíodo 2-2,5 cm de comp., tomentelo com pulvino. Árvore caducifolia, 10-15m x 40cm, podendo chegar a 30m x 100 cm.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: vagem
Estrutura: Seco
Cor do Fruto: marrom escuro
Tamanho: 40
Deiscencia: não
Periodicidade: anual
Observações: Fruto lenhoso, provido de 2 suturas longitudinais e nervuras salientes, grossas que ligam-se ás suturas, quebrando o pericarpo, onde aparecem os septos circulares que separam as sementes de uma massa preta , adocicada. O fruto pode chegar a 100cm x 5cm.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Madeira com resistência moderada a ataque de insetos (cupins de madeira seca e úmida).

Dados das Sementes
Forma da Semente: lisa
Cor da Semente: cast-amarelo claro
Tamanho: 1,5
Observações: O número de sementes por fruto é grande. A semente é dura, oval ou obovóide, aplanada de um lado e carinada do outro , brilhante com excisão no hilo.

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Colher os frutos diretamente da árvore quando iniciarem a queda espontânea ou recolhê-los no chão após queda. Fruto lenhoso deve ser triturado para extração das sementes, removendo-as manualmente, e em seguida, secá-las em ambiente ventilado.
Sementes por Kilo: 1276
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Germinação ocorre entre 8-60 dias. Dormência tegumentar. Tratamentos: a) escarificação com ácido sulfúrico concentrado por 30 minutos; b) escarificação mecânica acelera a capacidade germinativa e é mais eficiente do que os tratamentos de imersão em água quente (65-80 ¦C), seguida de repouso de 18 horas.
Quebra Natural: 60 meses
Quebra Câmara: 60 meses
Germinação: 96 % após dias
Condução: pleno sol
Tolerância: sim. 2-3 semanas após a germinação
Plantio: Espécie heliófila, apresenta rebrota após o corte. Pode ser plantada a pleno sol em plantio misto, em solos férteis. Arborização de culturas perenes, cerca viva. No Pantanal Mato-grossense é deixada nas pastagens, pois o gado aprecia muito os seus frutos adocicados. No PR, em espaçamento 4 x 4m, apresentou altura média de 8,67m x 13,0 cm e sobrevivência de 87,5% aos 5 anos após o plantio. Tempo de viveiro é de um mínimo de 6 meses, com uma média de 9. Associação como endomicorrizad

Bibliografia
CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.

PRANCE, G.T. & SILVA, M.F.. Árvores de Manaus. Manaus: INPA. 1975. 312p.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.