Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Fabaceae
Nome Científico: Dipteryx alata Vogel
Nomes Comuns: cumbaru, cumaru, baru, barujo, coco feijão, cumarurana, emburana brava, feijão coco, pau cumaru, baruzeiro, bugueiro, chuva de ouro, guaiçara, sucupira branca
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: oportunista
Ocorrência: floresta estacional semidecídua , cerrado , pantanal matogroáense
Distribuição Geográfica: BA GO MA MG MS MT PI SP TO DF
Dispersão: zoo/autocoria
Floração: OUT NOV DEZ JAN
Frutificação: SET OUT

Utilização
Utilizada para: Construção
Carvão
Resina
Arborização Urbana
Medicina
Frutifera
Paisagismo
Fauna

Dados do Caule
Tipo de Copa: irregular
Tipo de Estrutura: não há
Densidade da Madeira: 0,9
Observações: Casca suberosa ou escamosa com espessura total até 15mm; a externa áspera e levemente fissurada; a interna esbranquiçada. Alburno branco-amarelado, cerne castanho-amarelado de aspecto fibroso atenuado; cheiro e gosto imperceptíveis. Madeira pesada a muito pesada.

Dados da Flor
Forma da Flor: papilionac
Número de Pétalas: 5
Cor: amarelas
Estrutura: cacho
Tipo: Inflorescencia
Sexual: cacho
Observações: Inflorescência terminal até 20cm de comprimento.

Dados da Folha
Estrutura: imparipinada
Tipo: Composta
Forma da Folha: oblonga
Tamanho da Folha: 15,0
Inserção: alterna
Consistência: coriácea
Contem:
Observações: Folhas glabras. Folha com 4-7 pares de folíolos alados-peciolados. Folíolos apostos ou alternos, 6-12cm x 3,5-5cm. Árvore perenifolia a levemente caducifolia, comumente 5-10m x 15-40cm, podendo atingir 25m x 70cm.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: drupa
Estrutura: Carnoso
Cor do Fruto: amarelo á marrom
Tamanho: 5
Deiscencia: não
Periodicidade: anual
Observações: Drupa monospérmica de putâmen pétreo duríssimo, entremeado de densas fibras que partem do endocarpo, de baixa permeabilidade, o que dificulta seriamente a liberação da semente e sua germinação. Início da frutificação após 6 anos em plantio.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: A polpa do fruto é danificada por insetos, principalmente coleópteros e lepidópteros. Doenças Cylindrocladium sp. em viveiro, principalmente quando as mudas ficam á sombra.

Dados das Sementes
Cor da Semente: marrom á preto
Tamanho: 2,5
Quantidade: 1
Observações: Elipsóide, lisa, de hilo branco, oleaginosa

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Os frutos maduros são coletados no chão ou de vez, sacudindo os galhos da árvore, quando apresentarem coloração marrom-escuro. Para obtenção da semente retira-se a polpa com faca; os frutos despolpados são quebrados com o auxílio de um XXXXXXXX
Sementes por Kilo: 600
Dormência: sim
Quebra da Dormência: Dificuldade de germinação devido á impermeabilidade do invólucro do fruto, devendo retirar a semente
Quebra Natural: 12 meses
Quebra Câmara: 0 meses
Condução: pleno sol
Tolerância: sim. 4-6 semanas após a germinação.
Plantio: Recomenda-se espaçamento de 3,0m x 1,5m, desde que seja efetuado o desbaste em torno de 10 anos. Pode ser plantado a pleno sol em plantio puro, onde apresenta comportamento silvicultural satisfatório, porém com grande variação em altura entre plantas. Crescimento moderado podendo atingir incremento médio anual de 7,30m3/ha aos 10 anos. Possui um índice de sobrevivência alto (80%) em plantios.
Conservação: Muito ameaçada.

Bibliografia
LORENZI, H. Árvores brasileiras. Manual de Identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa. Ed. Plantarum. 1992. 352p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994. 640p.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.