Dados da Espécie

Especificações Gerais
Familia: Caesalpinaceae
Nome Científico: Caesalpinia echinata Lam.
Nomes Comuns: pau brasil, ibirapitanga, arabutã, brasilete, pau rosado, pau vermelho, pau de pernambuco, árvore do brasil, ibiripitinga, sapão, imirá piranga, muirapiranga, orabutã, pau pernambuco
Crescimento: árvore
Grupo Ecológico: tolerante
Ocorrência: floresta estacional semidecídual , floresta ombrófila densa
Distribuição Geográfica: AL BA ES MG PB PE RJ RN SE
Dispersão: autocoria
Polinização: melitofilia
Floração: SET OUT NOV DEZ
Frutificação: OUT NOV DEZ JAN

Utilização
Utilizada para: Construção
Carvão
Resina
Arborização Urbana
Melífera
Paisagismo
Madeira Nobre

Dados do Caule
Tipo de Copa: globosa
Tipo de Estrutura: raízes tabulares
Densidade da Madeira: 1,1
Observações: A madeira, de coloração avermelhada, é atualmente muito utilizada na fabricação de arcos de violinos. Na época colonial era extraído um corante, muito utilizado para tingir tecidos. O tronco possui acúleos grossos, densamente distribuídos.

Dados da Flor
Forma da Flor: taça
Número de Pétalas: 5
Tamanho da Flor: 3
Cor: amarela
Estrutura: cacho
Tipo: Inflorescencia
Sexual: cacho
Observações: As flores são muito perfumadas e reunidas em panículas terminais. A pétala maior polui mancha vermelha no centro.

Dados da Folha
Estrutura: imparipinada
Tipo: Composta
Forma da Folha: oblonga
Tamanho da Folha: 10 x 15
Inserção: alterna
Consistência: foliácea
Contem:
Observações: A folha é composta por 5 a 6 pares de folíolos, medindo 6 a 10 cm de comprimento. Cada folíolo é formado por 8 a 10 pares de folíolos secundários medindo 1 a 2 cm de comprimento. Há presença de pequenos acúleos abaixo da ráquis.

Dados do Fruto
Tipo do Fruto: vagem
Estrutura: Carnoso
Cor do Fruto: marrom
Tamanho: 7
Deiscencia: sim
Periodicidade: anual
Observações: O fruto é totalmente coberto por acúleos curtos e finos. Possui deiscência explosiva.

Dados sobre Pragas e Doenças
Descrição da Doença: Principalmente ataques de ácaros e formigas cortadeiras.

Dados das Sementes
Cor da Semente: marrom
Tamanho: 2
Quantidade: 2

Técnicas em Viveiro
Beneficiamento: Os frutos devem ser colhidos da árvore, quando mudam da coloração verde para marrom, e levados para ambiente ventilado para abertura das vagens e extração das sementes.
Sementes por Kilo: 3000
Dormência: não
Quebra da Dormência: Não há necessidade, mas a imersão das sementes em água fria por 24 horas acelera o início da germinação. O armazenamento deve ser realizado em câmara fria (T = 18 oC).
Quebra Natural: 2 meses
Quebra Câmara: 5 meses
Umidade: 60 %
Germinação: 90 % após 20 dias
Propagação: estaquia
Condução: sombreado
Formação: a 30 cm em 8 meses
Tolerância: sim, 2 a 3 semanas após a germinação.
Plantio: Não recomenda-se o plantio puro a pleno sol. O plantio misto, associado com espécies oportunistas e tolerantes, ou em faixas abertas em vegetação secundária (e plantada em linha) são os mais recomendados. Possui crescimento muito lento, não ultrapassando 2,5 m de altura aos 2 anos de idade.
Conservação: Muito ameaçada.

Bibliografia
AGUIAR, I.B.; PINÃ-RODRIGUES, F.C.M. & FIGLIOLIA, M.B. Sementes Florestais Tropicais. ABRATES. Brasília. 1993. 350p.

CORREA, M.P. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas Cultivadas. Ministério da Agricultura. Rio de janeiro. 1931.

ENGEL, V.L.; MORAIS, A.L. & POGGIANI, F. Guia de localização e reconhecimento das principais espécies arbóreas do Parque da Esalq. Relatório de Pesquisa. FEALQ. 1984.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. Manual de Identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa. Ed. Plantarum. 1992. 352p.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Avenida Pádua Dias, 11 - Caixa Postal 530 - CEP: 13400-970 - Piracicaba/SP
Reprodução permitida desde que citada a fonte.