Sistemas de propagação de mudas de essências florestais

Paulo Henrique Müller da Silva
Engenheiro Florestal - IPEF
Atualizado em 24/05/2005

Atualmente, o Brasil atingiu grande desenvolvimento do setor florestal obtendo alta produtividade em suas florestas plantadas, sendo alcançado pelas condições climáticas favoráveis, qualidade genética das florestas e pelo manejo adequado. A obtenção de floresta deve ser iniciada com a aquisição de material adequado às condições locais e finalidade. Esse material deve ser oriundo de um processo de melhoramento que consiste na seleção e propagação de plantas com as características desejadas, também chamadas de plantas superiores.

A propagação das mudas pode ser realizada de duas maneiras via semente ou via clonagem (propagação vegetativa).

1- Propagação via semente

Este tipo de propagação gera maior variabilidade entre os indivíduos o que possibilita maior distribuição e adaptação do material em condições de solo e clima diferentes.

Área coleta de sementes (ACS)

A área de coleta de sementes consiste na escolha de algumas árvores com características desejáveis. Cada árvore selecionada é chamada de planta-mãe, ou seja, cada semente terá 50 % do material genético de origem conhecida. A principal vantagem desse sistema é a grande disponibilidade de pólen que resulta em maior troca genética e maior nível de polinização, conseqüentemente grande quantidade de sementes viáveis e maior variabilidade genética. Os ganhos obtidos nessa área são relativamente baixos e é recomendada para o início do melhoramento do material introduzido.

Área produção de sementes (APS)

Na área de produção de sementes ocorre a retirada das árvores sem as características desejáveis através do desbaste seletivo. Assim cada semente terá 100 % do material genético proveniente de árvores com as características desejáveis. As principais vantagens desse sistema são: produção de sementes com material genético superior; baixo custo e em curto período. Essa área deve ficar isolada de outras onde existam florestas que possam estar polinizando os indivíduos selecionados.

Pomar de semente por mudas (PSM)

O pomar de sementes por mudas é implantado a partir da seleção de plantas de um teste de progênie (estudo feito sobre o comportamento das diferentes plantas selecionadas de diferentes populações). A área deve ficar devidamente isolada e corretamente manejada para produção de sementes. Esse sistema tem maiores ganhos genéticos, mas não pode ser obtido na introdução de material genético.

Pomar de semente clonal (PSC)

O pomar de semente clonal consiste na pré-seleção de diferentes materiais com as características desejáveis que devem ser clonados e implantados, com o devido isolamento, de modo a direcionar o cruzamento entre diferentes clones superiores. Nesse sistema ocorrem grandes ganhos genéticos e também pode ocorrer a precocidade na produção de sementes, quando a propagação é realizada via enxertia.

2. Propagação via clonagem ou propagação vegetativa

A propagação vegetativa é utilizada para obter ganhos genéticos de maneira mais rápida, pois essa técnica conserva características da planta mãe. Mas deve-se ressaltar que mesmo em floresta de origem de propagação vegetativa podem ocorrer diferenças entre um mesmo clone devido às diferenciações ocorridas durante a fase de propagação do material.
Existem diversos métodos para a propagação vegetativa de plantas jovens ou adultas e para todos os métodos deve-se trabalhar com condições de umidade e temperatura controlada e meios propícios para cada sistema.

Micro-propagação

Esse método de propagação vegetativa é baseado nas técnicas de cultura de tecidos e é realizado a partir de calos, órgãos, células e protoplastos. A cultura de tecidos consiste em cultivar segmentos da planta em tubos de ensaio que contenham soluções nutritivas e hormônios na dosagem adequada para o desenvolvimento. Após o termino da fase de desenvolvimento em tubos de ensaio, as plantas passarão por aclimatização e posteriormente serão levadas ao campo. Nesse sistema é possível obter com rapidez a produção de um grande número de mudas idênticas.

Macro-propagação

O método de macro-propagação é baseado nos métodos convencionais de estaquia e enxertia.

Estaquia – É o processo de enraizamento de estacas obtidas de material selecionado. Essa é a metodologia mais utilizada nas grandes empresas florestais que obtêm as estacas nos mini-jardins clonais. Podem existir nesse processo, além da metodologia, algumas características inadequadas para o enraizamento das estacas, como o material genético e a idade (o material adulto apresenta maior dificuldade de enraizamento).

Enxertia – É o processo de inserção da parte superior de uma planta em outra, através da implantação do ramo, gema ou borbulha da planta a ser multiplicada (cavaleiro) sobre o porta-enxerto (cavalo). Nesse procedimento pode ocorrer a rejeição do material, sendo que a melhor maneira de evitá-lo é utilizar plantas jovens.

A maior dificuldade da propagação vegetativa de plantas adultas é o enraizamento, sendo necessário trabalhar com material fisiologicamente juvenil ou rejuvenescido. As técnicas de rejuvenescimento podem ser realizadas através da poda drástica, aplicações de citocininas, propagação seriada via enxertia, propagação seriada via estaquia e micropropagação. Outros fatores também são importantes para o enraizamento entre eles a nebulização (prevenindo o estresse hídrico), o estado nutricional, a utilização de hormônios (para eucaliptos são utilizados o AIB e o ANA) e condições adequadas de desenvolvimento. Para a propagação vegetativa de eucalipto adulto é recomendada, para facilitar o processo, a utilização dos brotos epicórmicos originários da base das árvores.

3. Considerações finais

As ACS e APS são os métodos utilizados no inicio de programas de melhoramento florestal, recomendadas para o pequeno produtor devido ao menor custo e menor tempo para a produção das sementes. Para essas áreas recomenda-se a utilização de 1 ha, devidamente isolado.

As metodologias de melhoramento que envolvem a propagação vegetativa são recomendadas para as empresas da área florestal que conseguem trabalhar com as complexidades existentes no processo e que procuram características específicas em suas florestas plantadas.

O pequeno produtor que pretende implantar sua floresta deve obter o material (sementes ou mudas) que melhor se adapte as suas condições de clima, solo e finalidade, sendo importante a aquisição de fornecedores credenciados.


Mini-jardim clonal de eucalipto


Coleta e preparo de material para a estaquia


Processo de estaquia




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Avenida Pádua Dias, 11 - Caixa Postal 530 - CEP: 13400-970 - Piracicaba/SP
Reprodução permitida desde que citada a fonte.