O Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo (PTSM) desenvolve projetos de pesquisa, que visam a fornecer embasamento científico e técnico para a tomada de decisão operacional da área de silvicultura das empresas.

Uma das principais atividades do PTSM são as reuniões técnicas com as empresas filiadas. O principal objetivo das reuniões é divulgar os resultados das pesquisas realizadas nas empresas associadas, bem como construir um fórum de debates e de intercâmbio de experiências, na área da silvicultura e do manejo florestal, entre os profissionais da área técnica e operacional das empresas participantes.

Nelas, também se apresentam novas tecnologias e equipamentos, ainda em fase de desenvolvimento, de modo a promover o “benchmarking” entre os profissionais da área da silvicultura e da mecanização nas empresas.

Além das reuniões, realizam-se outras atividades, os seminários, os simpósios e os cursos, que objetivam atualizar e reciclar os conhecimentos sobre o assunto em questão, visando, como já colocado, ao embasamento científico e técnico para a tomada de decisões imprescindíveis à sustentabilidade ou à elevação da produtividade de plantações florestais.

Principais desafios e ações

- Averiguar os impactos da remoção periódica de resíduos florestais sobre a taxa de mineralização do nitrogênio e balanço de carbono em 3ª rotação;
- Estabelecer consórcios de microorganismos endofíticos ligado à cultura do eucalipto para enraizamento de estacas;
- Determinar a demanda nutricional para cultivo do gênero Corymbia e resposta da espécie C. variegata à fertilização potássica e bórica;
- Estabelecer novas bases para diagnose foliar considerando anuências edafoclimátcias dos principais polos florestais;
- Ajustar metodologia geral de monitoramento de plantas daninhas por meio de imagens obtidas por drones;
- Esclarecer dúvidas técnico-científicas que ainda perduram sobre a adoção da talhadia (ex. compensação de falhas, fertilização e desbrota).

Soluções e conquistas recentes

- Elucidou o importante papel dos micronutrientes, tal como o cobre, na fitossanidade (ex. contra ferrugem) em plantações de Eucalyptus;
- Debateu as peculiaridades relacionadas ao mercado de fertilizantes brasileiro, o que permitiu identificar suas fragilidades e oportunidades de melhorias;
- Esclareceu dúvidas relacionadas ao uso de defensivos agrícolas no Brasil, destacando as inovações tecnológicas e perspectivas futuras;
- Demonstrou as significativas contribuições da gessagem em plantações de Eucalyptus localizadas em áreas com elevado déficit hídrico;
- Consolidou novas parcerias institucionais (ex. UFRJ) e com outros programas cooperativos do IPEF (ex. PROTEF e PCMF), ampliando as linhas de pesquisa desenvolvidas pelo PTSM (ex. estudo sobre organismos endofíticos);
- Estreitou relacionamento com as empresas filiadas por meio de reuniões customizadas, auxiliando na tomada de decisões e recomendações técnicas.

Liderança Científica e Gestão

- José Leonardo de Moraes Gonçalves - ESALQ/USP - Líder Científico
- Alexandre de Vicente Ferraz - IPEF - Coordenador Executivo
- Antonio Leite Florentino - IPEF - Assistente Executivo

Contato

- Clique aqui para enviar e-mail

Empresas filiadas

- Arauco Florestal Arapoti S.A.
- Amcel - Amapa Florestal e Celulose S.A
- ArcelorMittal BioFlorestas Ltda
- Bracell
- Celulose Nipo-Brasileira S.A. - CENIBRA
- CMPC - Celulose Riograndense Ltda
- Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano - COMIGO
- DEXCO S.A.
- Eldorado Brasil Celulose S/A
- Eucatex S/A
- Gerdau Aços Longos S.A.
- Klabin S/A.
- Metalsider Ltda.
- Suzano S.A.
- Sylvamo do Brasil Ltda.
- UPM Forestal Oriental
- Vallourec Tubos do Brasil Ltda.

Instituições colaboradoras

- CIRAD
- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - ESALQ/USP
- Faculdade de Ciências Agronômicas - FCA/UNESP
- Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ